SISTEMA OPERACIONAL DO PONTAL ENERG??TICO

“O Pontal Energ??tico bem como todo o seu legado ?? poderoso demais para ser ignorado e importante demais para ser trivializado”
Cosmo Rtc

” A mente do servidor h??-de fixar-se nas zonas mais altas do ser, onde aprender?? o valor das concep????es sublimes, renovando-se e quintessenciando-se para constituir elemento padr??o dos que lhe seguem a trajet??ria. O homem, para auxiliar o presente, ?? obrigado a viver no futuro da ra??a.
A vanguarda imp??e-lhe a soledade e a incompreens??o, por vezes dolorosas; todavia, essa condi????o representa artigo da lei que nos estatui adquirir para podermos dar…

Ningu??m pode ensinar caminhos que n??o haja percorrido.
Nasce da??, em se tratando da mediunidade edificante, a necessidade de fixa????o das energias instrumentais no santu??rio mais alto da personalidade.
Fen??menos “n??o lhes importa a natureza” ?? for??oso reconhecer que assediam a criatura em toda parte.
A ci??ncia leg??tima ?? a conquista gradual das for??as e opera????es da Natureza, que se mantinham ocultas ?? nossa acanhada apreens??o.
E como somos filhos do Deus Revelador, infinito em grandeza, ?? de esperar tenhamos sempre ?? frente ilimitados campos de observa????o, cujas portas se abrir??o ao nosso desejo de conhecimento, ?? maneira que grade??am nossos t??tulos merit??rios.
Por isto, consideramos que a mediunidade mais est??vel e mais bela come??a, entre os homens, no imp??rio da intui????o pura……

No mundo Maior – Andr?? Luiz
p??g.- 126 ( 1+2+6= 9 !! Ser?? mera coincid??ncia?)

sistema operacional 01 altaA pir??mide superior e inferior (invertida) funcionam como geradores, receptores ou difusores de energia sutil, entre diversos tipos de ondas e freq????nciais, sem qualquer alimenta????o mec??nica, localizando-se em todo v??rtice, formando um ??nico eixo central, superior e inferior. Entretanto, ?? a pir??mide inferior quem regula a dosagem de libera????o, difus??o e transmuta????o destes campos sutis.

Este gerador ??, na verdade, um condutor energ??tico que transporta um tipo de energia “diel??trica”. Alguns minerais ou artefatos diel??tricos com eixos polares semelhantes podem adquirir sob press??o, relativa carga el??trica positiva em uma das extremidades e negativa na outra, este fen??meno ?? conhecido como “piezeletricidade”. Se for aplicada tens??o ao longo do seu eixo polar, a carga ser?? invertida em freq????ncia eletromagn??tica ou eletroprot??nicas com amplitude e comprimento de ondas diferentes. O gerador interno do sistema operacional da pir??mide superior e inferior s??o compostos por feixes sutis localizados, simetricamente por toda estrutura cristalina das pir??mides, desencadeadas por uma fonte natural de emiss??o: “mol??culas de sil??cio (SiO??) formadoras do ret??culo cristalino, as quais, s??o pressionadas por gravidade contra a base de metal do aparelho” .

Conjunto operacional B alta

Esta fonte prov?? um fluxo cont??nuo de libera????o de sub-part??culas at??micas, como os neutrinos, por exemplo. Al??m de infind??veis energias sutis que trabalharam em conjunto interferindo positivamente em nosso sistema organoeletr??nico, podendo ser sentido at?? pelo sistema cristalino do DNA. Esses feixes sutis viajam em fluxos ou irradia????es nos “t??neis” das estruturas das part??culas cristalinas em todo eixo do cristal do aparelho, os fluxos s??o produzidos muito pr??ximos das intercess??es dos discos dos el??trons e dos cubos* de pr??tons que facetam a pir??mide superior. Nestas posi????es, sistemas de ondas sutis ou menores que adentram nos t??neis, s??o comprimidos e acabam acompanhando o girar dos discos de el??trons. Que conseq??entemente s??o lan??ados no ambiente espacial local, seguindo o principio do aparelho, como FLUXOS.

image005 alta

As velocidades rotacionais dos sistemas que participam das periferias dos discos que facetam a base do cristal da pir??mide superior, produzem as ondas senoidais, materiais que s??o superiores ?? velocidade da luz. Assim podemos afirmar que os sistemas componentes dos fluxos que s??o irradiados pelo gerador cristalino desenvolvem rota????es alt??ssimas enquanto se propagam nas ondas senoidais. Dessa forma, os sistemas integrantes das ondas senoidais al??m de propagarem-se como ondas eletromagn??ticas na velocidade da luz ainda s??o combinados nestas ondas onde giram em velocidade superior ?? da luz.

Assim, s??o os discos de el??trons componentes dos cubos de pr??tons que est??o a rodar em velocidades perif??ricas muito acima de 300.000 k/s que proporcionam essa velocidade ??s ondas senoidais eletromagn??ticas que transmutam diversos tipos de freq????ncias, cujas quais, podem interferir em todo bio-campo dos seres, desativando desta forma cargas parasit??rias de origem fot??nica eletromagn??ticas ou geopatog??nicas e interagindo com a consci??ncia ativando-a profundamente.

A pir??mide inferior (invertida) ?? o dosador desta energia eletromagn??tica e eletroprot??nica, conforme j?? havia dito acima.
O conjunto receptor, dosador e dissipador t??m como objetivo manter todo sistema de transmuta????o frequencial descrito acima, est??vel e em equil??brio, tal transmuta????o de energias harm??nicas e sutis ser??o, ent??o, liberados ritmicamente pela pir??mide inferior que est?? invertida, dosando em formas de campo de subpart??culas at??micas, as ondas advindas dos t??neis dos v??rtices cristalinos que est??o nos eixos moleculares cristalinos, os quais, j?? foram, conforme descrito acima e previamente processados pelo cristal maior da pir??mide superior; tal libera????o interagir?? com todo o aparelho atingindo os s??mbolos radi??nicos e encaminhando esse campo sutil para a bobina (Labirinto de Chartres) sendo, ent??o, filtrada pelo Scap e dissipada pelo atual momentun f??sico ou extraf??sico.

O sistema ??, portanto, totalmente aleat??rio a limites ou par??metros tais, como: dimens??o, tempo, espa??o e massa, pois, mesmo um neutrino, seja ele el??tron ou m??on, cuja qual ?? a subpart??cula ou onda liberada pelo Pontal Energ??tico, podem viajar dist??ncias incalcul??veis nos v??rios “universos” se considerarmos que se eles entrarem em um micro buraco branco ou negro, nunca saberemos em qual dimens??o estar??o ou em que tempo estar??o, muito menos em qual tipo de massa estar??o permeando.

O conjunto gerador/dosador ?? auto recarreg??vel e repor?? por si mesmo, de forma continua, instant??nea e ininterrupta e por tempo indeterminado sua auto gera????o de energia. Acredito que possa se auto carregar por milhares de anos toda e qualquer quantidade de energia que liberam em forma de fluxos senoidais, mas, dependendo do comando mental impresso no sistema ele tamb??m poder?? cessar, ou “congelar” tal gera????o de energia sutil, uma vez que o aparelho funciona exclusivamente com o campo de freq????ncia mental do seu propriet??rio, instalado quando de sua conex??o ou ativa????o.

A transfer??ncia de energia (freq????ncia) de uma pir??mide para outra, ocorre na superf??cie de contato de uma com a outra, mas ?? impulsionada pela pir??mide superior que, como est?? sendo atra??da gravitacionalmente para a base de metal, tem uma libera????o neutrinica maior. O que assemelhasse curiosamente com a estrutura molecular b??sica dos silicatos na subdivis??o denominada “Ciclossilicatos”. Veremos este ponto mais adiante.

REGISTRO GEOM??TRICO, CRISTALOGR??FICO E AT??MICO DAS PIR??MIDES DE CRISTAL

image007

Um mineral ?? um corpo natural, homog??neo, na maioria das vezes inorg??nico e s??lido. Por??m, os Cristais obtidos pelo homem a partir da evapora????o de solu????es, da sublima????o de um g??s ou mediante a solidifica????o da mat??ria fundida n??o s??o propriamente “minerais” e sim “artefatos”, por isso, permanecem homog??neos, pois, as part??culas constituintes (??ons, ??tomos, mol??culas) repetem-se na mesma ordem e a intervalos regulares na estrutura cristalina, tamb??m s??lidos, na medida em que tem seu pr??prio volume e dimens??o; e suas part??culas constituintes se encontram unidas por grande for??a de coes??o. Tais part??culas, podem estar dispostas

sistema_5_smallem ordem perfeita, produzindo nesse caso os cristais.
Imagem acima e exemplo de uma estrutura cristalina do Cloreto de S??dio
O cristal do aparelho Pontal Energ??tico ??, portanto, um artefato cujo arranjo regular das mol??culas formadoras do ret??culo cristalino s??o corpos sim??tricos e os elementos s??o faces, arestas e v??rtices fisicamente equivalentes. Ele pode ser dividido por um “plano especular” esse plano ?? denominado “plano de simetria”. No sistema_6_smallestado s??lido, um cristal ?? um arranjo tridimensional de part??culas segundo um padr??o definido de repeti????o. Essas part??culas (??tomos, mol??culas ou ??ons) ocupam os v??rtices de min??sculos paralelep??pedos que, justapostos em fileira e em coluna formam o chamado “ret??culo espacial”. As part??culas nos v??rtices dos paralelep??pedos ou “celas unit??rias” s??o “n??s”, pontos de entrela??amento da estrutura.

Uma s??rie de n??s dispostos na mesma dire????o forma uma “fileira” e v??rias fileiras na mesma dire????o definem um “plano reticular”.

sistema_7_small sistema_8_small

Estrutura reticular das part??culas do cristal

Existem 14 tipos de celas elementares, tamb??m chamadas ret??culos espaciais, superpostas ou relacionadas entre si de forma que cobrem todas as combina????es poss??veis de pontos no espa??o.

image017
O sistema e a classe de cristaliza????o identificam o cristal com o m??ximo de precis??o. A “forma” ?? o grupo de faces fisicamente equivalentes, mutuamente ligadas por elementos sim??tricos. Em um cristal podem ocorrer muitas formas.

Desenho das Formas dos Cristais:

A classe a que pertence as pir??mides de cristal do Pontal Energ??tico ?? a dos Silicatos.

image019
Todo silicato cont??m sil??cio (si) um elemento tetravalente. A an??lise estrutural mostra que o ??on de sil??cio (Si4 +) est?? sempre no centro de um tetraedro cujos v??rtices s??o ocupados por quatro ??ons de oxig??nio (O??-). Forma-se dessa maneira a s??lica (SiO4)4-, estrutura b??sica dos silicatos e conseq??entemente dos Cristais do aparelho, e no caso da estrutura molecular do artefato temos que a classe ou a subdivis??o a que pertencem os cristais do Pontal s??o as do Ciclossilicatos, onde, tr??s, quatro ou seis (mais habitual de todos) re??nem-se formando an??is, muito semelhantes a uma estrela de seis pontas.

Ciclossilicatos

Ao estudar as formas de cristais, ?? muito importante definir o sistema de eixos do cristal e a posi????o das faces. Isto ??, feito pela escolha de tr??s eixos de refer??ncia em concord??ncia com o cristal e de tr??s de suas arestas n??o situadas no mesmo plano, vale dizer uma an??lise tridimensional. As linhas paralelas ??s arestas que se cortam num ponto no interior do cristal formam os “eixos cristalogr??ficos” que, em conjunto, formam o “sistema de eixos”. O eixo voltado para o observador ?? o eixo ” x “, o eixo horizontal, paralelo ao observador ?? o “y “, o eixo vertical ?? o ” z “. As dire????es positivas de cada eixo s??o as seguintes:

Para x, do centro da origem em dire????o ao observador:
” para y, do centro da origem em dire????o ?? direita do observador
” para z, do centro da origem em dire????o ascendente

image021

Sistemas de eixo dos Cristais

As dire????es positivas de cada eixo formam ??ngulos definidos da seguinte maneira:

Alfa = y.z Beta = x.z Gama = x.y

No caso mais simples,Alfa = Beta = Gama = 90?? Alfa, Beta e Gama s??o denominados “constantes angulares” do cristal.

image026 alta

Um estudo, conhecido como a lei de Hauy, que preconiza que os ??ndices das faces de um cristal s??o representados por n??meros racionais e surpreendentemente baixos. Hauy chegou a esta formula????o baseando-se em sua pr??pria concep????o da estrutura cristalina, vista como repeti????o peri??dica e tridimensional do menor s??lido existente. Todas as observa????es experimentais confirmam sua teoria. ?? verdade que, na atualidade, ningu??m se refere a esses s??lidos enquanto constituintes de um cristal, mas a ??tomos, ??ons e mol??culas. No entanto, a distribui????o espacial destas part??culas imaginadas por Hauy ?? exata.

sistema_13Agora vejamos como s??o dispostos os cristais do diamante:
Pense na semelhan??a dos Ufos triangulares com a proposta de equa????o da concep????o da estrutura cristalina feita por por Hauy !

Os cristais possuem simetrias vari??veis, alguns t??m: Um plano de reflex??o, um eixo bin??rio e o eixo de simetria, outros tamb??m apresentam o mesmo eixo de simetria, por??m, podem chegar a ter: nove planos de reflex??o, quatro eixos tern??rios, tr??s eixos quatern??rios e seis eixos bin??rios! Isso gera uma equa????o extremamente complexa em suas simetrias.
sistema_13_small
Existem 32 combina????es poss??veis dos elementos de simetria. Tais combina????es determinam as v??rias classes cristalinas, elas expressam a simetria poss??vel de qualquer cristal. O grau de simetria ?? que determina e indica a soma dos v??rios elementos como: planos, eixos e centro, t??picos de cada classe, onde as constantes cristalogr??ficas de cada classe fornecem a base para o seu “AGRUPAMENTO EM SISTEMAS”;

(Pe??o uma aten????o especial para este termo AGRUPAMENTO pois ele ter?? uma profunda liga????o com os estudos sobre as H??ades, que analisaremos ao final deste estudo)
sistema_15_smallCada sistema inclui as classes que t??m o mesmo sistema de eixos e a mesma raz??o Param??trica. Em cada classe, as formas do cristal s??o indicadas pela coloca????o do ??ndice entre par??nteses, onde, os ??ndices de face fundamental s??o a raz??o entre os seus par??metros; portanto, seus ??ndices ser??o (111). Concluindo-se ent??o que ?? indicada pela f??rmula {111} e a face fundamental, por (111).

Ent??o, segundo a raz??o param??trica da face fundamental, existem sete sistemas que se agrupam, por sua vez, em tr??s grupos. Que s??o: 1-) ISOM??TRICOS – Composto exclusivamente pelo sistema c??bico (hom??nimo), com uma face fundamental que determina tr??s par??metros iguais nos eixos cristalogr??ficos.
sistema_16_small
2-) DIM??TRICOS – Formados pelos sistemas Hexagonal, trigonal e tetragonal, onde a face fundamental produz dois valores diferentes nos eixos cristalogr??ficos.

3-) TRIGONAL – QUE ?? O SISTEMA DO APARELHO PONTAL ENERG??TICO EM SUA SIMETRIA CRISTALINA – Formado pelos sistemas ORTORR??MBICOS (formato do conjunto cristalino do Pontal Energ??tico), Monocl??nico e Tricl??nico, nos quais, a face fundamental produz tr??s valores diferentes nos eixos cristalogr??ficos.
Enquadramento do Pontal Energ??tico no Quadro de Sistema Cristalino:

As faces dos cristais do Pontal Energ??tico s??o, portanto: Trim??tricas, formados pelos sistemas Ortorr??mbico , nos quais, a face fundamental produz tr??s valores diferentes nos eixos cristalogr??ficos .

image032

Face: Trim??tricos

sistema_18Forma do sistema cristalino: Bipir??mide R??mbica (hkl)

Sistema: Ortorr??mbico

Constantes cristalogr??ficas: ? 90?? ( a : b : c )

sistema_20_smallN??mero de classe: 3

Classe mais sim??trica: Bipiramidal r??mbica , 3P, 3A??, C

Tipo: A??

SISTEMA TRIM??TRICO DO PONTAL

Outra semelhan??a muito interessante, um tipo de UFO bipiramidal r??mbico?

Ao que tudo indica os extraterrestres dominam de alguma forma um alt??ssimo conhecimento de estruturas cristalinas e provavelmente ?? este conhecimento que os permite, de alguma forma, seu transporte ou o pr??prio desenvolvimento tecnol??gico!

Peliculiar:- Como as freq????ncias sutis processadas pelo aparelho s??o muito elevadas n??o h?? forma de transport??-las por condutores. Estas freq????ncias se propagam em forma de “ondas” em todas as dire????es de maneira que formam c??rculos conc??ntricos, sim??tricos em torno de todo Pontal.

Isto pressup??e que ?? esta a forma com a qual a pir??mide superior sintetiza as ondas sutis captando, neutralizando ou transmutando part??culas freq????nciais atrav??s de fluxos senoidais de energia sutil sob o “Princ??pio Peliculiar”, sendo que o dosador tamb??m opera sobre o mesmo princ??pio. Os n??veis de micro voltagem do conjunto cristalino e da base do Pontal praticamente n??o emitem campos de voltagem, teoricamente est??o na ordem de “m.v.” – de forma que o fator de imped??ncia ?? igualmente muito baixo entre as pir??mides em fun????o de que as freq????ncias processadas possam ser elevadas (MHz) ou (GHz). Da mesma forma o fator de amortecimento (damping factor) exige pouca tens??o para tornar a aparelho operacional na transmuta????o de freq????ncias em forma de ondas oscilat??rias.

SISTEMAO alta

Voltando ao desenho de formato das pir??mides, ?? de se notar que as mesmas est??o alinhadas sobre um mesmo eixo. Esta condi????o se d?? al??m das j?? explanadas acima, pois, tamb??m trazem algumas fun????es importantes, tais como:

a) Manter alinhado o conjunto todo sobre um eixo ZENIT-NADIR, que al??m de manter o conjunto geometricamente sim??trico, funcionando como condutor para a outra ??rea do aparelho; a base met??lica.
b) O eixo ou axis est?? relacionado ao alinhamento vetorial – planeta/espa??o celeste. Lembrando que a linha do equador celestial est?? posicionada a 0?? em rela????o ao Sol, ou seja, a Terra, mant??m uma ??rbita cerrada com esta linha que est?? posicionada no centro do Sol. Outros planetas t??m suas ??rbitas inclinadas angularmente em rela????o ao Equador Celestial. Sobre esta linha dos planetas est??o as faces das elipses de suas ??rbitas.
Logo abaixo do v??rtice da pir??mide inferior est?? o labirinto que coincide exatamente com o mesmo eixo do conjunto piramidal. O labirinto atua como uma bobina indutora, com um fator de indut??ncia muito baixo ela recebe as descargas cont??nuas e intermitentes das ondas liberadas pelo dosador (pir??mide invertida), e que vieram do gerador, situados bem no centro de seus n??cleos moleculares. Esta emiss??o de freq????ncia, pode ocorrer por um sistema diel??trico de alt??ssima velocidade em seu eixo sutil, j?? descrito acima.

LABIRINTO DE CHARTRES – A BOBINA DO APARELHO

sistema_22_smallA bobina (Labirinto de Chartres), tem como fun????o coletar o fluxo de energias que eventualmente possam carregar freq????ncias eletromagn??ticas ou mesmo eletroprot??nicas, provocando um corte nesta carga harm??nica eletromagn??tica.
Tais ondas eletromagn??ticas poderiam imprimir “cargas parasit??rias” ao organismo caso n??o fossem devidamente tratadas pelo aparelho (veremos isto mais adiante), o que cria um campo isolado de gravidade ou anti gravidade, sendo que o aparelho Pontal Energ??tico usa uma transfer??ncia de freq????ncia para translocar a freq????ncia entre o v??rtice da pir??mide menor e o n??cleo da bobina (comentarei isso mais adiante) , sob a condi????o diel??trica ou sutil. ?? de se levar em conta a a????o dos neutrinos neste processo, em especial o neutrino m??on que ?? justamente a subpart??cula liberada pelo aparelho Pontal Energ??tico.

SOBRE OS NEUTRINOS:

sistema_23_smallNeutrino ?? descrito como uma part??cula sem massa e sem carga el??trica, t??o infinitamente pequenos s??o estes valores.
Sua intera????o com a mat??ria se d?? atrav??s da mais fraca ou d??bil for??a b??sica da natureza e sua intera????o ?? eventual.
Os Neutrinos pertencem ?? fam??lia dos L??PTONS, ?? qual, tamb??m pertencem o M??ON e tamb??m o conhecido EL??TRON.

J?? o PR??TON e o N??UTRON pertencem a uma outra fam??lia de part??culas compostas formadas por QUARKS. Os quarks est??o sujeitos ??s quatro for??as fundamentais conhecidas at?? o momento;

a-) For??a Gravitacional
b-) For??a Nuclear Forte
c-) For??a Eletromagn??tica
d-) For??a Nuclear Fraca
e-) For??a Eletroprot??nica*

For??a Gravitacional: ?? a mais fundamental das for??as, sua a????o depende das massas das part??culas; quanto maior for a massa, mais intensa a for??a.
Ex: GR??VITONS Part??culas que transmitem for??a entre planetas, estrelas e gal??xias.

For??a Nuclear Forte: A segunda a aparecer na evolu????o do Universo, liga os QUARKS aos PROTONS. N??o age sobre os EL??TRONS e sua fam??lia.
Ex: GL??ONS Part??culas que transmitem for??a entre os EL??TRONS e o N??CLEO AT??MICO.

For??a Eletromagn??tica: S?? aparece nas part??culas que tem carga el??trica. N??o existe em corp??sculos como N??UTRON. Foi a terceira for??a a se diferenciar na hist??ria do Universo.
Ex: F??TONS Part??culas que transmitem for??a entre as EL??TRONS E O N??CLEO AT??MICO.

For??a Nuclear Fraca: ?? a respons??vel pela desintegra????o de algumas part??culas, funciona tanto para a fam??lia dos QUARKS como para a dos EL??TRONS.
Ex: B??SONS Part??culas que transmitem for??a entre N??UTRONS e PR??TONS no N??CLEO AT??MICO.

For??a Eletroprot??nica: A tese da for??a ELETROPROT??NICA ?? defendida pelo pesquisador brasileiro, Jos?? Franco Carvalho.
Em sua tese Jos?? Franco defende que tais ondas senoidais ELETROPROT??NICAS s??o produzidas pelos sistemas de t??neis materiais por onde transitam part??culas de PR??TONS e EL??TRONS.

L??PTONS: Dentre os quais os neutrinos n??o s??o afetados pela for??a forte. A intera????o entre as for??as: “forte” e “eletromagn??tica” propiciam um mecanismo para a transforma????o de QUARKS em L??PTONS
A Terra se move em meio a uma densa nuvem de neutrinos na qual existem em m??dia “N” neutrinos por cm??. Isto em todo e qualquer volume do Universo, no entanto, apesar de existir em t??o grande quantidade, os neutrinos n??o s??o permanentes e sua exist??ncia ?? ef??mera. As part??culas est??o se formando e desaparecendo no Universo o tempo todo. Portanto, os neutrinos s??o sub part??culas at??micas dos quais, os tipos conhecidos s??o:

1-) NEUTRINOS EL??TRONS

2-) NEUTRINOS M??ON

NEUTRINOS EL??TRONS: Pertencem aos neutrinos, criados pelo Sol e por todas as estrelas que existem no Universo, maiores ou menores que ele, essas part??culas preenchem todos os espa??os do Universo e, portanto, est??o em todas as partes.
Os neutrinos possuem massa quase igual a zero. Disse “quase” porque atualmente os cientistas at??micos atribuem ao neutrino alguma massa, tal atribui????o ?? devida ?? constata????o de conseq????ncias da atua????o de mecanismos interativos que atuam sobre os neutrinos e outras part??culas do Universo, sob sua a????o, n??o s?? os neutrinos como outras part??culas terminam transmutando-se em sub part??culas inteiramente diferentes das originais, portanto, s??o muito dif??ceis de encontr??-los mesmo para a atualidade cient??fica. Tal processo ?? muito dispendioso e somente governos podem tentar tal intento, tal procedimento de tentativa de captur??-los para an??lise em instrumentos exige a constru????o de grandes tanques subterr??neos contendo toneladas e toneladas de ??gua pur??ssima misturadas com uma quantidade relativa de ??tomos de cloro, que s??o chamadas de c??maras de bolhas ou c??maras de Wilson, sucintamente o estudo analisa, atrav??s destes in??meros sensores extremamente sens??veis, quando uma part??cula de neutrino el??tron ou de TAO transpassa pela ??gua do tanque. O resultado desta viagem neutrinica pela ??gua, muito provavelmente, ser?? de vital import??ncia para uma melhor compreens??o do Universo e sua intera????o com nosso meio ambiente celular.

2- NEUTRINOS M??ON: Os neutrinos m??on possuem caracter??sticas intimamente ligadas ?? exist??ncia dos CRISTAIS e ?? vida org??nica. Na verdade possuem caracter??sticas semelhantes ??s dos NEUTRINOS EL??TRONS, mas, devido ?? invers??o de fase e presen??a de massa mais consistente, esses neutrinos podem ser captados com muito maior massa e facilidade, inclusive por sistemas eletr??nicos incorporados a computadores.

A n??vel sutil o Pontal Energ??tico capta, transmuta e dissipa essas part??culas neutrinicas em um processo semelhante a transmuta????o de QUARKS em L??PTONS. Como os Neutrinos tem caracter??sticas “org??nicas”, s??o igualmente produzidos nos organismos por “compress??o das membranas i??nicas” que no caso agem ?? semelhan??a de CRISTAIS piezel??tricos, ou seja, uma vez comprimidas, produzem como rea????o ao est??mulo mec??nico liberando ent??o os NEUTRINOS M??ON. O orgasmo, por exemplo, ?? um dos maiores produtores de neutrinos m??on de todo os organismos devido a grande quantidade de compress??es i??nicas provocadas por contra????es e distens??es esp??smicas das membranas i??nicas que adv??m do evento org??stico.
Os neutrinos m??on desempenham um papel “protetor” dos organismos vivos, evitando o desenvolvimento de “SPINS ISOT??PICOS DE SIMETRIA LOCAL – S.I.S.L.” causados pelos f??tons – teoria esta de Yang – Mills..
A origem de todo processo degenerativo instalado num organismo adv??m do desenvolvimento de CARGAS PARASIT??RIAS, decorrentes do S.I.S.L.
O corpo humano ?? envolvido por um campo especial constitu??do por part??culas sub-at??micas denominadas NEUTRINOS do tipo M??ON, produzidos nas membranas i??nicas, principalmente no perit??nio, muito rico em pot??ssio, da?? a import??ncia do evento org??stico ser o mais constante poss??vel ao ser humano.
Quando F??TONS ou ONDAS transpassam o campo neutr??nico e atingem uma estrutura at??mica faz surgir ent??o o “spin isot??pico de simetria local” que d?? in??cio a uma “carga parasit??ria”.
ONDAS DE ESPECTRO ELETROMAGN??TICAS

Espectro Eletromagn??tico

?? o intervalo inteiro dos tipos diferentes de radia????o eletromagn??tica, ou ondas eletromagn??ticas.
O espectro eletromagn??tico abrange um amplo intervalo de comprimentos de onda e freq????ncias, indo desde ondas muito longas e conseq??entemente baixas freq????ncias – ondas r??dio – passando pelas ondas infravermelho e ondas de luz vis??vel at?? chegar a freq????ncias muito altas (o que corresponde a comprimentos de ondas curtas ou, simplesmente, ondas curtas) dos raios gama e raios X.
Os comprimentos de onda no intervalo da luz vis??veis t??m uma cor espec??fica associada com cada um deles quando eles passam atrav??s de um prisma. As freq????ncias mais baixas, comprimentos de onda mais longos, produzem a cor vermelha enquanto que as freq????ncias mais altas, comprimentos de onda mais curtos, produzem a cor violeta. Aqueles comprimentos de onda que caem em algum lugar entre estes dois pontos produzem as cores laranja, amarelo, verde, e azul que tamb??m s??o encontradas na regi??o do vis??vel dos espectros eletromagn??ticos.

A-)ONDAS DE RADIA????ES IONIZANTES.

B-) ONDAS DE RADIA????ES N??O IONIZANTES.

raiosO conjunto de todas as freq????ncias poss??veis ?? denominado “Espectro Eletromagn??tico”, sendo normalmente dividido em duas regi??es principais: Ondas de Radia????es N??o Ionizantes (ORNIs) e Ondas de Radia????es Ionizantes (ORI).
A-) A ORI ?? constitu??da por f??tons com energia suficiente para produzir ??ons em sua passagem pela mat??ria, ou seja, capazes de “arrancar” el??trons m??on (neutrinos) de ??tomos e mol??culas das c??lulas. Em rela????o ?? mat??ria biol??gica que forma o corpo humano, essas radia????es eletromagn??ticas com freq????ncia maior e comprimento de onda menor (f>2,4×1015 Hz) t??m energia suficiente para provocar ioniza????o e uma conseq??ente carga parasit??ria se instalar?? muito provavelmente em forma de uma doen??a auto-imune, pois, o organismo prepara-se para atacar um invasor “virtual” uma vez que ele n??o existe realmente (materialmente). O que est?? “arrancando” os el??trons m??ons (neutrinos) dos ??tomos e mol??culas das c??lulas s??o ondas e n??o v??rus ou bact??rias, tal processo auto-imune pode levar a diversos tipos de c??nceres, em especial ?? leucemia.

B-) A ORNIs, ao contr??rio da ORI, n??o tem energia suficiente para remover el??trons m??ons (neutrinos) dos ??tomos e mol??culas das c??lulas e n??o formam ??ons, entretanto, em fun????o dessa menor energia, esses el??trons vibram em diversos graus e dependendo da freq????ncia que est??o causam o aquecimento celular com a conseq??ente perda de pot??ssio da c??lula que entra em confus??o metab??lica. Dentre efeitos j?? constatados do ORNIs est??o: c??ncer, muta????es gen??ticas, queda imunol??gica, irrita????o do sistema nervoso, depress??o etc. Portanto, s??o diversos os efeitos biol??gicos das ORNIs .
Dessa forma, existem ent??o, dois riscos claros para a sa??de proveniente das Ondas de radia????es frequenciais:

1-) INDU????O DE CORRENTE: Indu????o de corrente no interior do corpo por baixa freq????ncia (menores que 100 KHz) = el??trons deslocados.

2-) ABSOR????O DE ENERGIA: Conseq??ente eleva????o de temperatura pela densidade de corrente induzida – alta freq????ncia, superior a 100 mA/m?? – provoca rea????es adversas em m??sculos e nervos, com o conseq??ente aumento de temperatura na ordem de 1?? a 2??, portanto, um estado febril intermitente, lembrando que o estado febril ?? uma resposta da c??lula, portanto, aumentando a temperatura celular de um modo geral acelera o metabolismo – o que chama-se de “indu????o de disfun????es metab??licas quantitativas”.
Tal estado febril, onde as c??lulas se aquecem, ocorre quando a energia eletromagn??tica espec??fica, absorvida por segundo, ultrapassa 4 W/kg durante aproximadamente 30 minutos, alterando o equil??brio isot??rmico intracelular gerando no local em que se encontra a defici??ncia metab??lica relacionada com o mau processamento por erro de temperatura. Um aparelho de telefone celular, por exemplo, gera uma freq????ncia alt??ssima, teoricamente aquecendo algumas c??lulas neuronais, a pr??pria bateria aquece o ouvido produzindo este estado. O corpo humano tem mecanismos de termo reguladores, j?? que em estado normal de sa??de irradia de 1 a 2 W / kg, entretanto, com o aquecimento induzido pelas ondas de ORNIs em que haja um aumento local de temperatura, ?? rapidamente redistribu??do por meio da corrente sangu??nea; por esta raz??o, partes do corpo com pouca irriga????o sangu??nea s??o extremamente sens??veis, como os olhos por exemplo, aos efeitos nocivos das Ondas de Radia????es N??o Ionizantes.

Abaixo segue um gr??fico com limites m??ximos de radia????o eletromagn??tica recomendada, divulgado pela Anatel sobre o grau de interfer??ncia e a toler??ncia m??xima de exposi????o dos telefones celulares e microondas em geral:

GEOMETR7 alta

Logo as ORI e as ORNIs se instalam como Cargas Parazit??rias, destruindo o campo neutrinico do corpo ou levando a c??lula a erro de assimila????o de nutrientes.

O surgimento de cargas parasit??rias faz degredar rapidamente o estado patol??gico, pois, ?? medida que v??o sendo consumidos os neutrinos, o sistema imunol??gico interpreta as cargas (onda de harm??nicos eletromagn??ticos externos) como macro-mol??culas an??malas produzindo auto-anticorpos, dando lugar ao desenvolvimento de uma doen??a auto-imune.
O aparelho Pontal Energ??tico atua como emissor neutrinico natural que espalha ritmicamente significativos campos neutrinicos, tanto pela forma, como pela compress??o de massa cristalina, suprindo de certa forma a necessidade neutrinica instant??nea, que pode estar sendo atacada por algum tipo de harm??nico de alta ou baixa freq????ncia, diminuindo sensivelmente e at?? mesmo impedindo em alguns casos que tanto ondas c??smicas – part??culas fot??nicas, microondas ou eletromagn??ticas – atravessem o biocampo do corpo e a?? se instale criando uma carga parasit??ria atingindo fatalmente o sistema eletr??nico celular. O que prov?? um estado qu??ntico melhorado de sa??de f??sica, mental e espiritual.

O SISTEMA SCAP

sistema_26_smallO SCAP ?? um filtro supressor, inibidor ou bloqueador de energias negativas ou tel??ricas. Sua localiza????o no aparelho Pontal Energ??tico est?? na base da superf??cie inferior de apoio de todo o conjunto.

Pode-se deduzir com clareza que o centro do tri??ngulo menor coincide com o centro do labirinto, sendo assim, voltamos a ter mais um elemento alinhado ao conjunto do aparelho.
O SCAP foi inventado por Andr?? Philipe – pesquisador franc??s – sobre radiestesia radi??nica. Seu prop??sito ?? de neutralizar ondas eletromagn??ticas negativas ou nocivas, ondas geopatog??nicas, ondas de formas negativas, etc.

Este dispositivo ?? um filtro que visa neutralizar certas freq????ncias negativas que possam ser captadas e transmutadas no ambiente ou no ser pelo aparelho.

A atra????o de ondas para transmuta????o sutil est?? localizada no centro do tri??ngulo menor, os pontos de condu????o da onda capturada est??o nas tang??ncias dos tri??ngulos. Os campos (3 ao todo) s??o c??maras de reten????o de ondas, os extremos do tri??ngulo maior possuem em seus v??rtices desenhos que lembram uma Cruz Ansata (ANK), na verdade s??o bloqueadores de sa??da de ondas, como filtros de reten????o que fecham ou abrem sobre o princ??pio diferencial Ap. (Delta P= (Delta) o diferencial de press??o de fluxo.

Nos campos (3 ao todo) h?? s??mbolos, letras do alfabeto hebraico antigo, estes s??mbolos interagem uns com os outros, inclusive com os demais s??mbolos do aparelho, ampliando enormemente o campo freq????ncial sutil do Pontal, e que quando freq????ncializado dentro de “x” Hz mentais, as ondas mentais podem atingi-los criando um campo de resson??ncia, cujo campo ?? capturado e transmitido para o eixo da bobina .
O mecanismo do SCAP, possui um sistema de neutraliza????o dos efeitos de ondas nocivas ORNIs e ORIs capturadas sob o comando da mente pela bobina (Labirinto de Chartres) e remodeladas, invertidas ou destru??das pelos cristais, do aparelho da pessoa e dissipadas no ambiente, logo, quando ocorre a transfer??ncia destas ondas para que sejam transmutadas de acordo com o ajuste do usu??rio, ocorre uma “remodela????o” energ??tica dessas ondas negativas ou tel??ricas, n??o s?? da onda, mas, tamb??m no efeito de carga capturada pelo emissor, seja uma pessoa, seja um harm??nico de tal freq????ncia e em seguida a nova onda reconstitu??da pelo Pontal Energ??tico oscilar?? pura e livre novamente.

BASE DO PONTAL ENERG??TICO
Por ser a base fundida em bronze ou lat??o (duas ligas resultantes de combina????es met??licas), cuja titula????o ?? baixa temos a seguinte composi????o qu??mica:
Cobre Cu 80% Comprimento da Onda 324,8nm = cor Verde

Estanho Sn 5% Comprimento da Onda 217nm = cor Azul muito Escuro

Zinco Zn 15% Comprimento da Onda 231,9nm = cor Azul Cobalto

NOTA: T??tulo de um metal: Quantidade de percentual predominante quando est?? em liga com outros metais, logo, o que difere o bronze do lat??o ?? a quantidade de um metal e outro em maior ou menor quantidade com os respectivos percentuais, os valores acima s??o a f??rmula do metal do aparelho Pontal Energ??tico.

GRAVA????ES NA BASE DE METAL

S??o vis??veis grava????es de glifos, s??mbolos, alfabetos, assim como desenhos relacionados com astronomia.
As grava????es s??o chaves de acionamento e ativa????o. Teoricamente o aparelho Pontal Energ??tico, pode desempenhar v??rias fun????es, algumas espec??ficas outras combinadas.

Estas supostas chaves permitem com o devido conhecimento de suas fun????es e de como ativa-las, conectar o aparelho inter dimensionalmente. Isto ??, o aparelho passa a conectar-se a um esquema multitular de processamento mental, envolvendo consci??ncias c??smicas superiores, ou consciencias planet??rias em diversos quadrantes do Universo e mesmo consci??ncias de nossa dimens??o, como preconiza o principio da hermen??utica, a do mentalismo: O UNIVERSO ?? MENTAL.
Por esta raz??o, as ativa????es extras do aparelho podem ocorrer acessando chaves mentais de um mesmo conjunto ou talvez 2 ou 3 ou milhares ao mesmo tempo ou acessando outras chaves que correspondam a outro bloco de informa????es, podendo ser tamb??m harm??nicos, atrav??s do som, notas musicais, freq????ncias de aromas ou ainda freq????ncias de mat??ria. Assim, o aparelho pode operar em forma simult??nea sobre v??rias situa????es diferentes como, eleva????o de n??vel de consci??ncia, modifica????o de estrutura de mat??ria (DNA, uma vez que o pr??prio DNA ?? de estrutura cristalina), retifica????o de ondas nocivas etc; e simultaneamente em v??rios n??veis de campos interdimensionais, muito al??m de nosso atual entendimento de tempo, espa??o ou massa.
A raz??o dos s??mbolos virem de diferentes culturas, assim como os alfabetos, glifos, ideogramas, tem correspond??ncia com as v??rias intelig??ncias extraterrestres que operavam , operam ou podem vir a operar em diferentes quadrantes dos Universos Gal??cticos, Intergal??cticos ou dos ??teres, incluindo-se a??, claro, o planeta Terra. Cada corrente de consci??ncia inter ou extra planet??ria influenciou, influencia ou pode estar influenciando no futuro o nosso aqui e agora, nossa consci??ncia cognitiva f??sica “material” ou ps??quica “mental”, bem como, todo campo de processamento de pensamentos, sistemas de alfabetos, cultura, astronomia, ci??ncias, biologia, matem??tica, gen??tica, etc – nunca estivemos s??s no Universo!
Portanto, ao se acessar o campo de freq????ncia do que se deseja do Pontal Energ??tico, com os recursos escolhidos e usando exclusivamente a mente, podem ser acionadas algumas chaves que ativar??o, sobre um conceito de multiplicidade destas culturas e seres, todo um conhecimento que possivelmente interagir??o no sistema de tempo linear e de tempo vertical do campo harm??nico do ser e do ambiente no presente, assim como nos sistemas conscientes e sub conscientes da ra??a humana, diretamente relacionados aos arqu??tipicos verbais e n??o verbais. Tal processo se bem orientado poder?? ativar alguns genes do DNA, elevando o n??vel de consci??ncia pessoal e muito provavelmente planet??rio.
?? importante sublinhar que a mente humana consciente processa informa????o na ordem de aproximadamente 12 a 15 bitz sendo que a informa????o processada na mente subconsciente atinge 70 a 80 milh??es de bitz.

O TELETRANSPORTE DE ONDAS DO PENSAMENTO PROCESSADAS PELO PONTAL ENERG??TICO PELO SISTEMA ESPA??O/TEMPO NEGATIVO

Este modelo do espa??o/tempo negativo ?? a dimens??o do et??rico mundo das energias e de sua condu????o e transporte, que inclui o corpo et??rico humano, onde, as subst??ncias que constituem os nossos corpos et??ricos vibram em velocidades maiores que a da luz.

MODELOES

Sobre o fen??meno da rela????o de transporte de energias pelo aparelho Pontal, sobre o qual estamos estudando, podemos afirmar que o aparelho Pontal Energ??tico transporta diferentes tipos de ondas e ou part??culas. Tomando como exemplo a Energia El??trica de corrente alternada, pode-se intuir que as freq????ncias enviadas pela energia el??trica, devido ??s suas caracter??sticas, s??o transportas ou se manifestam conforme a freq????ncia e velocidade da LUZ ou F??ton. Por??m, tal hip??tese faz parte da experi??ncia de Planck sobre o buraco negro – n??o astron??mico – cujo fundamento est?? no Princ??pio da Incerteza ou o que se define como salto qu??ntico das part??culas.
O que faz a codifica????o de informa????es em part??culas de luz ?? justamente o Princ??pio da Incerteza enunciado pelo f??sico alem??o Werner Heinsenberg (1901-1976), entre outras coisas, ele estabelece que ao medir as propriedades de uma part??cula ?? ineg??vel que ela seja alterada, assim, se a mat??ria intercepta uma informa????o no meio do caminho, o receptor pode detectar esta intercep????o e intercept??-la, sabendo que a comunica????o foi de alguma forma monitorada. Isto sugere que o teletransporte ofereceria um recurso adicional precioso, ele faria as informa????es desaparecerem num lugar e reaparecerem em outro, garantindo que elas n??o tivessem como serem interceptadas.
Albert Einstein se referiu analogicamente a este fen??meno como “Emaranhamento de Part??culas”, o que permitiria, em tese, o teletransporte qu??ntico.
Um objeto pode ser teletransportado de um lugar a outro sem nem mesmo existir em qualquer lugar estes dois pontos. Segundo Nicolas Gisin, pesquisador su????o, esta m??xima deve chocar a todos que pensam nisso.
O Pontal Energ??tico processa, transmuta e “TELETRANSPORTA ONDAS MENTAIS” diversas, e em diversas dire????es, devido ao seu campo de intera????o com part??culas at??micas e sub at??micas, gerenciando uma maior concentra????o de el??trons de freq????ncia mental que interagem com sua estrutura cristalina.
As bases de sustenta????o do teletransporte do espectro de ondas eletromagn??ticas mentais s??o:

1-) Grade Magn??tica Planet??ria,

2-) Configura????o e o avan??ada do aparelho ,

3-) Desejo Mental .

Os valores destas tr??s bases juntas s??o muitos elevados ou extremamente elevados, portanto, refere-se ao salto qu??ntico de freq????ncia ou oscila????o de part??culas e sub part??culas qu??nticas, vale dizer de ondas, portanto, os el??trons das ondas mentais produzidas em uma freq????ncia de aproximadamente 15 Hz podem ser tele transportadas pelo Pontal Energ??tico! E conseq??entemente direcionadas para onde quer que mentalizemos o foco de nossa aten????o com um grau de velocidade e consist??ncia impressionantes. Tal processo ?? que pode tornar realidade a concep????o da Terapia Hologr??fica de Acesso a Unidade de Intelig??ncia com total exatid??o.